Patos - PB 25 de fevereiro de 2024

Publicidade

Chuvas vão voltar ao interior da PB, RN, PE e CE nos próximos dias, diz meteorologista Rodrigo Cézar Limeira

// Obtém uma referência para o botão de impressão const imprimirBtn = document.getElementById('imprimirBtn');// Adiciona um evento de clique ao botão imprimirBtn.addEventListener('click', function() { window.print(); });
Foto: reprodução

Interior dos citados Estados do Nordeste deverão ter chuvas nos próximos dias, o período de chuvas começa entre os dias 07 e 13 de março, com chuvas ora esparsas ora isoladas,fato motivado pela chegada no Nordeste agora no início de março, de uma onda planetária de energia, em altos níveis na troposfera, associada ao sinal negativo para chuvas da Oscilação Madden-Juliam, após o dia 13 as chuvas poderão se intensificar, com a chegada da onda de energia de sinal aposto por volta do dia 13, ou até um pouco antes.

As chuvas poderão perdurar até o dia 21 de março aproximadamente pontua o físico, meteorologista, tecnólogo em negócios imobiliários, mestre em Meteorologia e doutor em Fisica Quântica Rodrigo Cézar Limeira.

Estação chuvosa terá chuvas muito mal distribuídas em 2023 no Cariri, Sertão e Altossertão da Paraíba

O Oceano Atlântico Sul na altura da costa leste do Nordeste continua mais frio de que o normal para a época, algo que poderá impactar na distribuição das chuvas esse ano, dessa forma, conforme já previu o Dr. Rodrigo Cézar Limeira, maioria dos grandes açudes que abastecem cidades do semiárido do setor norte do Nordeste, e do qual faz parte o semiárido paraibano, terão pouca recarga hídrica em 2023 pelo terceiro ano seguido.

É de se esperar um ano mais favorável para recargas significativas nos pequenos reservatórios da região, alguns poderão encher, conforme já previu no início de fevereiro o estudioso.

O ano também poderá ser mais favorável para pastagens em muitos locais, e também para as lavouras de feijão principalmente no Sertão e Altossertão do estado.

Dr. Rodrigo Cézar Limeira também cita o enfraquecimento do fenômeno La Niña, o qual está perto de dissipar, como algo que poderá impactar negativamente nas chuvas do final da estação chuvosa da região, a qual dura de fevereiro a maio.

O pesquisador ainda cita o fato do Atlântico Sul na altura da costa leste do Nordeste ter esquentado muito ano passado, e quase o ano inteiro, fato que fez o mesmo perder muito calor para a atmosfera, dessa forma, seguindo o balanço de energia dos oceanos, a tendência do referido oceano é de se manter mais frio de que o normal durante a estação chuvosa da região em 2023.

O estudioso previu também em 2023, menos chuvas do que em 2022, previsão feita em janeiro e que deverá se confirmar também.

Portal Ciência em Foco

Compartile:

Tags:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE